sexta-feira, 6 de junho de 2008

Fluminense 3 x 1 Boca Juniors. Só faltam dois!


Mais de oitenta mil almas. Tricolores de todas as gerações se uniram mais uma vez em torno da mítica pó de arroz.

Horas antes do início da grande batalha, a emoção já tomava conta de todos os corações. O nervosismo era flagrante na grande maioria dos torcedores. Respeito a um adversário ferrenho, repleto de títulos internacionais, dono de um time de alto gabarito e de uma torcida respeitável e raçuda, que mesmo desfalcada, mostrou todo o seu poderio em pleno Maracanã. Quem assistiu ao jogo em suas proximidades, pode avaliar o que deve ser jogar na Bombonera com o estádio lotado.

Também a apreensão causada pela propaganda subliminar apregoada pelos mais notáveis órgãos da imprensa tanto brasileira como argentina, tentando aniquilar de todos os modos qualquer esperança de vitória. “O Boca tem a experiência que o Fluminense não possui”. “É o algoz de times brasileiros, não perde desde 1963, quando foi eliminado por aquele fantástico Santos de Pelé”. “Os jogadores do Fluminense sucumbirão à classe e a catimba dos portenhos, o time já foi longe demais”. Frases que a todos atormentavam tão logo o juiz encerrou a memorável partida contra o São Paulo.

Os idosos, acostumados a conquistas memoráveis, eram os mais afetados pela síndrome. Sentavam, levantavam, andavam de um lugar para outro. Tornavam a sentar e olhavam com certo receio para a torcida adversária, dona de si, completamente autoconfiante, que não parava de cantar e rufar seus bumbos e tambores num barulho ensurdecedor.

O estádio foi enchendo. Um grande número de crianças, senhoras e jovens que acompanhavam seus pares vinham se unir aos angustiados que lá já estavam. Traziam estampados nas faces o orgulho de pertencer a uma torcida especial, de um clube tão nobre, respeitador de seus adversários.

A partida começou e as previsões sombrias pareciam acontecer.

O Boca entrou mais organizado. Preencheu melhor o meio campo, adiantou a marcação e praticamente não deu chances a nossa equipe durante todo o primeiro tempo.

Os jogadores argentinos mostraram seu poderio e a pressão sobre a área tricolor foi uma constante. Mas se o Boca tinha Riquelme e uma dupla de ataque letal e entrosada, como todo o resto da equipe, o Fluminense tinha Thiago Silva, o melhor zagueiro brasileiro e um goleiro, que ressurgindo das cinzas, tal qual fênix, se mostra cada vez mais decisivo. Fernando Henrique vem ganhando corpo e fez defesas milagrosas em momentos cruciais. Se sobrava experiência e tranqüilidade ao Boca, não faltava coragem e firmeza à defesa tricolor. Os erros de alguns quase sempre foram aniquilados pela eficiência de outros.

Veio o segundo tempo e o mesmo panorama se repetia. A torcida tentava de todos os meios empurrar o time para frente, mas o Boca pressionava como antes. E de tanto pressionar, conseguiu o seu gol. O gol que lhe dava a classificação e que aumentava a angústia de todos.

E nesse momento começou o novo milagre tricolor. Se o Boca tem jogadores mais experientes, que sabem conduzir um jogo no ritmo que lhe convém, esse time do Fluminense é abençoado e sabe fazer os gols nos momentos decisivos, naquele instante em que é preciso transformar a depressão pelo fracasso no momento sublime do triunfo.

A entrada do Dodô, o golaço de Washington, numa cobrança genial "a lá Riquelme", contagiou a torcida e despertou o time para uma virada memorável.

E quando a integração mágica da torcida com o time acontece, o Fluminense torna-se imbatível. Nesse momento, a inspiração voltou e foi então a nossa vez de partir em contra-ataques mortais. O Boca balançou, não chegou a tremer, mas se encurvou e acabou, por erro de passe, dando a chance que tanto Dodô esperava. E o golpe foi mortal. O gigante, invicto há quase meio século, foi trucidado perante o testemunho de mais de oitenta e quatro mil pessoas. E o Boca voltou a se render diante de um clube brasileiro. Não um clube qualquer, mas o querido Fluminense, o verdadeiro tricolor.

Era o começo da festa, momento em que se via uma torcida iluminada se abraçando, muitos desconhecidos até então, irmanados na magia tricolor. Uma jornada indescritível.

O Fluminense mostrou que sabe jogar. Que joga mais e fala menos. Que experiência se adquire no decorrer das competições e não com títulos obtidos em tempos idos. O Fluminense e sua torcida iluminada deram mais um show no Maracanã, tornando felizes aqueles milhares de crianças que começam a sentir a glória do que é ser tricolor.

Calou-se a boca dos falastrões da soberba e também daqueles secadores deprimentes, que não entendem como é bom saber ganhar e também saber perder.

Y el Boca se fue! Chora Palacio! Chora Palermo! Ano que vem tem mais.


4 comentários:

Anônimo disse...

eu, eu, eu e o boca se fud$&*#@$!!!

verdadeiro tricolor disse...

E a Fla-Boca?!

http://img147.imagevenue.com/img.php?image41079_00000098_page_1_123_846lo.jpg

Tricolor! disse...

Nova promoção da Coca-Cola:

Quem é melhor: RIQUELME ou FABINHO??

VOTE!...

Marcio Cardoso disse...

Alo Helio,

estou escrevendo com atraso mas a vitoria do Flu foi realmente historica... quase com certeza o triunfo tricolor mais importante q eu jah vi. Assisti pelo canal ESPN espanhol e os narradores mexicanos ficaram surpresos com a forca da torcida no Maraca. Eles tambem apontavam o Boca Juniors como favorito mas na altura do segundo gol tricolor jah reconheciam o Flu e apontavam como "uma nova forca continental". Esperamos q estejam certos!

O Flu mostrou sorte e categoria de campeao com os belos gols em momentos decisivos... eh assim q times alcancam grandes conquistas. Agora, por favor, tem q levar muito a serio este jogo de ida lah na altitude. Se o Flu jogar com o espirito de luta e seriedade q mostrou com o Boca, eh 90% de chance de despachar o LDU. O desafio continua: conseguira o Renato segurar o oba-oba? Eu preferia q as finais fossem direto na semana seguinte ao triunfo. Eh claro q acho q vai dar tudo certo, mas as sandalias da humildade sempre caem bem.

Abc,

Marcio